Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

24/10/2013 às 06:02

"A literatura é acessível aos brasileiros?", escritores respondem

Escrito por: Redação
Fonte: G1

Na Flica, iniciada nesta quarta-feira, G1 bate-papo com alguns escritores. No primeiro dia, quem responde a pergunta é Carpinejar e Cristóvão Tezza.

Em meio à movimentação do primeiro dia da Flica - Festa Literária Internacional de Cachoeira -, nesta quarta-feira (23), o G1 bateu bate-papo rápido com Fabrício Carpinejar e Cristóvão Tezza.

Os escritores participaram da mesa que abriu os debates desta terceira edição do evento. O tema que norteou a conversa foi "Enfrascar o Cotidiano". A mediação ficou por conta do ator e apresentador baiano, Jackson Costa.

 "A literatura é acessível aos brasileiros?", perguntou o G1. Carpinejar opina que o país precisa de mais contadores de histórias, superando os muros das "universidades". Para Tezza, há uma melhora sim no acesso às obras literárias, mas o Brasil ainda tem um potencial massivo ainda não explorado.

A abertura do evento ficou por conta da Orquestra Sinfônica da Bahia (Osba), que apresentou o o concerto "Uma Tarde em Veneza".

Flica
Além de literatura, a Flica tem também programação musical e ações paralelas, como a Sala de Som do Sesi, que tem o objetivo de discutir cultura e música. Entre as novidades da Flica, está a realização de uma programação exclusivamente para as crianças. A Fliquinha terá exposições, lançamentos de livros, oficinas, teatro, "contação" de histórias e um show voz e violão com o cantor Saulo.

Baianos
A festa literária ainda contará com a presença de autores baianos como Elieser Cesar, Karina Rabinovitz, Állex Leilla, Tom Correia e a historiadora Maria Hilda Baqueiro Paraíso. O evento é realizado pela Icontent, empresa da Rede Bahia, pela Putzgrillo! Cultura e pela Mirdad - Gestão em Cultura.