Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

09/08/2016 às 15:17

Acionista quer destituir atual presidente da Oi

Escrito por: Ana Paula Lobo
Fonte: Convergência Digital

A Société Mondiale informou nesta segunda-feira, 08/08, ter convocado assembleia geral extraordinária de acionistas da Oi para o dia 8 de setembro. Dona de ações equivalentes 6,18% do capital da operadora de telecomunicações, que está em recuperação judicial, a Société Mondiale propõe que os acionistas da companhia destituam do Conselho de Administração da Oi os seguintes membros: Rafael Luís Mora Funes, João Manuel Pisco de Castro, Luís Maria Viana Palha da Silva, Pedro Zañartu Gubert Morais Leitão e Marcos Grodetzky, que é o atual presidente da Oi em substituição a Bayard Gontijo, além dos respectivos suplentes.
 
A acionista quer que seja eleitos para essas posições Helio Costa, ex-ministro das Comunicações, Demian Fiocca, Durval Soledade Santos, Pedro Grossi Junior, José Vicente dos Santos, Leo Julian Simpson, Jonathan Dann e Marcelo Itagiba.
 
A Société Mondiale defende ainda que a AGE anule a decisão de outra assembleia realizada em março do ano passado, que aprovou um acordo da Oi com a Portugal Telecom SGPS (atual Pharol), além de ações de responsabilidade contra executivos, avaliadores e acionistas que possam ter provocado prejuízos à companhia.
 
Também por fato relevante encaminhado à CVM, a Oi informou que o Morgan Stanley, de forma agregada, por meio de suas subsidiárias, atingiu posição de 7.893.554 de ações preferenciais de emissão da OI S.A, equivalentes a 5,0% do número total de ações preferenciais da Companhia.
 
A posição acima já engloba 121.900 ações preferenciais doadas por meio de empréstimo e 2.903.019 ações preferenciais tomadas por meio de empréstimo. Atingiu, ainda, posição vendida de 4.736.533 ações preferenciais, equivalente a 3,0% do número total de ações preferenciais da Companhia. No comunicado, o Morgan Stanley diz que não objetiva alterar a composição do controle ou estrutura administrativa da Companhia.
 
*Com informações da CVM e da Agência Reuters