Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

05/10/2007 às 08:43

Agora, trilha também é pirateada

Escrito por: Patrícia Villalba
Fonte: O Estado de São Paulo

Assim como o DVD, que chegou às esquinas bem antes de o filme estrear nos cinemas, uma trilha sonora pirata de Tropa de Elite já está disponível para download na internet. O CD oficial com as músicas do filme de José Padilha chega às lojas no fim do mês, pela EMI. Virá com um pôster do filme, um trailer e um vale-ingresso para o cinema. Extra-oficialmente, entretanto, circula uma compilação com parte das músicas e pancadões de funk inspirados no filme, que brincam com os jograis de treinamento dos aspirantes do Bope, hoje verdadeiros hits.

O 'disco' pirata abre com 13 segundos do refrão 'o Bope tem guerreiros que matam guerrilheiros', e na categoria 'música de polícia' traz também 'Homem de preto, qual é tua missão?/ Entrar na favela e deixar corpo no chão'. Há ainda um funk montado com algumas das falas mais barras-pesadas do protagonista Capitão Nascimento, e marcado com tiros de metralhadora. Está lá o Rap das Armas, de MC Júnior e MC Leonardo, aquele do parapapapá, megassucesso de baile funk carioca. Voltou com tudo, potencial multiplicado por mil, graças à edição matadora de Daniel Rezende para o filme.

Já o CD oficial sairá com 12 faixas, sem nenhuma das montagens envolvendo os diálogos do filme. Abre com Rap das Armas e, claro, traz Tropa de Elite, do Tihuana, por assim dizer, a música principal. O bafafá em torno do filme requentou o hit da banda, que tem se deliciado.

Faixa do primeiro disco deles, Ilegal (2000), Tropa de Elite dá sorte. 'Ela estava na nossa fita demo em 1999, e por causa dela conseguimos contrato com uma gravadora', conta o baixista da banda, Roman. Perfeita para as cenas frenéticas em que o Bope se esgueira pelas ladeiras do morro, a música faz a adrenalina subir na sala de cinema. E olhe que, quando foi composta, nada tinha a ver com os homens do Capitão Nascimento. 'Não quisemos relacionar com o Bope, a tropa de elite era a gente mesmo. Era como se a gente tivesse tomado a cena musical de assalto. Uma banda nova, chegando e dominando tudo. Depois, cada um que ouviu interpretou do seu jeito e a gente sabe que ela é usada até em luta livre', explica o músico.

Roman jura que esperou até hoje para ver o filme nos cinemas. Já seu público não perdeu tempo. 'Essa música sempre foi ponto alto dos nossos shows, mas hoje virou supra-sumo. Sempre que vamos tocar, perguntamos quem já viu o filme, e todo mundo levanta a mão. Está na boca da galera.'