Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

15/09/2011 às 11:28

Apagão analógico cria disputa pelos canais abertos

Escrito por: Redação
Fonte: AdNews

O apagão analógico está programado para ocorrer em 2016, quando todas as televisões do Brasil terão de ser adaptadas para receber a transmissão digital. Mas já começou a disputa pelas frequências que serão deixadas pelas emissoras de TV aberta. As empresas de telefonia querem as faixas para aumentar a oferta de serviços de banda larga móvel.

Os canais em que hoje estão Globo, Record, SBT etc. precisarão ser devolvidos. De acordo com a Folha.com, as teles querem que a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) reserve agora essas frequências, que estão na faixa de 700 megahertz, para implantação do 4G. O governo já disse que leiloará a faixa de 2,5 gigahertz para isso e que o edital está em preparação para que as vendas aconteçam em abril de 2012.

Mas as operadoras querem que o leilão seja adiado. O presidente da Tim, Luca Luciani, acredita ser melhor investir em projetos de difusão da tecnologia existente e não necessariamente na implantação de outras. "O que é melhor para o Brasil: ter a quarta geração do celular disponível nos Jardins (bairro nobre de São Paulo) ou levar a banda larga móvel à Amazônia com uma tecnologia mais antiga, mas que ainda é eficaz?", disse, segundo informa a Folha.

A Oi também prega pelo adiamento dos leilões de 2,5 GHz, sob argumento de que, antes dessas vendas, a Anatel discuta com a sociedade planos mais longos para já decidir quem ficará com as frequências de 700 MHz. Para o presidente da operadora, Francisco Valim, a faixa a ser deixada pelas emissoras é melhor para a banda larga móvel do que a que será leiloada no ano que vem.

Já a Anatel diz ser fora de questão o adiamento. "O compromisso de implantação do serviço antes da Copa de 2014 foi firmado por decreto presidencial", lembrou o conselheiro do órgão João Rezende. "A redestinação das frequências só deve ser discutida depois de encerrada a TV analógica. Inverter o processo seria um desgaste político para a Anatel."