Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

08/05/2018 às 20:30

Barbosa, Villas Bôas, Trump, Doria: as manchetes vem das redes sociais

Escrito por: Redação
Fonte: Carta Capital

Relembre episódios em que importantes anúncios e declarações polêmicas começaram no Facebook e no Twitter

Foi-se o tempo em que políticos e autoridades recorriam apenas a coletivas de imprensa e declarações à mídia para anunciar decisões relevantes ou tecer comentários polêmicos. Recentemente, muitas manchetes de jornais e portais surgiram de postagens em redes sociais como o Twitter e o Facebook.
 
O caso mais recente é o de Joaquim Barbosa, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal. Após gerar frisson entre os integrantes do PSB com sua possível candidatura à Presidência, ele anunciou, nesta terça-feira 8, ter desistido de concorrer em sua conta no Twitter.
 
“Está decidido. Após várias semanas de muita reflexão, finalmente cheguei a uma conclusão. Não pretendo ser candidato a Presidente da República. Decisão estritamente pessoal”, escreveu Barbosa.
 
O ex-ministro do STF não é o único que prefere a relação direta com os cidadãos conectados para comunicar decisões importantes ou polemizar. Recentemente, foram muitos os casos em que políticos e autoridades se anteciparam à mídia tradicional. Relembre alguns deles:
 
A pressão de Villas Bôas
 
Às vésperas do julgamento do habeas corpus de Lula no Supremo Tribunal Federal, o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, usou seu Twitter para pressionar a Corte. 
 
"Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?, escreveu Villas Bôas, antes de concluir.
 
"Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais."
 
A declaração teve enorme repercusssão. Foi lida por William Bonner ao final da edição do Jornal Nacional, da TV Globo, e tornou-se manchete de todos os portais, incluindo CartaCapital. A declaração repercutiu também entre outros generais twitteiros, que prestaram apoio ao comandante do Exército.
 
Trump demite Secretário de Estado
 
Donald Trump é um assíduo twitteiro. Ele usa as redes sociais para anunciar ataques militares e até para demitir subordinados. Em março, ele dispensou Rex Tillerson, então secretário de Estado, e confirmou sua substituição por Mike Pompeo, ex-diretor da CIA. 
 
Na curta mensagem, Trump não deu qualquer explicação para a troca. Tillerson e o presidente divergiram com frequência sobre vários tópicos da política externa americana. Em seu twitt, Trump afirmou que Pompeo faria um "trabalho fantástico". Ele agradeceu Tillerson pelos serviços prestados.
 
Cristiane Brasil e o vídeo do barco
 
A deputada federal Cristiane Brasil foi anunciada como nova ministra do Trabalho por seu pai, Roberto Jefferson, condenado no "mensalão". Ela não conseguiu assumir o cargo. Sua posse foi barrada pela Justiça por ter sido condenado em uma ação trabalhista por não assinar a carteira e pagar direitos a um motorista que trabalhava cerca de 15 horas diárias. 
 
A deputado optou por gravar um vídeo para expor sua indignação. Acompanhada de um quatro homens sem camisas a bordo de um barco, a deputada afirmou: "O que pode passar na cabeça das pessoas que entram contra a gente em ações trabalhista?" Os homens a bordo concordaram. "Como empresário, ação trabalhista toda hora a gente tem". Outro comentou. "Todo mundo pode ter. Eu tenho, ele tem, todo mundo pode ter." O vídeo viralizou nas redes sociais. A deputada terminou por não assumir o cargo.
 
Assista ao video: https://youtu.be/lLNtsOISz1c
 
Doria anuncia a "farinata"
 
Em 8 outubro de 2017, João Doria, então prefeito de São Paulo, anunciou a criação de um novo programa de alimentação para a cidade de São Paulo. O carro-chefe da iniciativa era um alimento granulado feito a partir de restos de comida próximas do vencimento. Foi pelas redes sociais do então mandatário paulistano que o Brasil foi apresentado à tal da 'farinata'. 
 
No vídeo, Doria afirmou que começaria a distribuição do alimento granulado. "Esse é o alimento para todos, alimentos que seriam jogados no lixo e são reaproveitados, com toda segurança alimentar." O ex-prefeito tentou emplacar sua distribuição aos estudantes das escolas municipais, mas a falta de informações nutricionais e controle da vigilância sanitária, somadas às críticas de nutricionistas e cidadãos, levou o tucano a desistir do projeto.