Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

03/10/2013 às 13:12

Bernardo diz que BNDES e fundos de pensão não participarão do aumento de capital na nova tele, a CorpCo

Escrito por: Redação
Fonte: Tele Síntese

Na nova estrutura, todos os sócios terão menor participação acionária Diluição

O BNDES e os fundos de pensão brasileiros perderão espaço na nova tele, que surgirá da fusão entre a Oi e Portugal Telecom, anunciada nesta quarta-feira (2). O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse que a o banco e os fundos foram consultados sobre o aumento da participação na CorpCo, mas não se interessaram. "De qualquer forma, a nova empresa terá a maioria de capital brasileiro e será sediada aqui", afirmou, minimizando possíveis prejuízos para o Brasil decorrentes da operação.

Como parte da operação, está previsto um aumento de capital da Oi, no valor mínimo R$ 13,1 bilhões, com o objetivo de alcançar R$ 14,1 bilhões, sendo parte decorrente da contribuição das operações e negócios da Portugal Telecom e o remanescente, no montante mínimo de R$ 7 bilhões, com objetivo de alcançar R$ 8 bilhões, em dinheiro, com vistas a melhorar a flexibilidade do balanço da CorpCo.

Do ponto de vista da competição, Bernardo acredita que não deve haver problemas, já que a PT saiu da Vivo. De qualquer forma, ele afirmou que ainda não teve tempo de analisar os detalhes da operação anunciada nesta manhã, já que tinha que estar em audiência publica no Senado as 7h30. "Só sei que será uma empresa binacional, com atuação no Brasil, Portugal e alguns países da África, com 100 milhões de usuários", disse.

"Nós precisamos olhar os planos das operadoras para analisar e eu vou chamar os dirigentes para isso, mas acho que a operação é positiva", avaliou o ministro. Ele afirmou que não houve constrangimentos no governo com o anúncio da fusão. "Quando a Portugal Telecom entrou na Oi, o governo já tinha tomado conhecimento (da fusão), já tinha se certificado disso", ressaltou. Mas pediu um tempo para analisar a operação para ter uma visão melhor, inclusive sobre a questão do controle da nova companhia.

Bernardo participou nesta quarta-feira de audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado, que tratou de investimentos em telecomunicações. Para o ministro, ainda faltam aplicações das teles para que os serviços prestados tenham a qualidade cobrada pelos consumidores e governo.