Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

30/05/2008 às 08:41

Compra da BrTelecom beneficia o País, diz presidente da Oi

Escrito por: Cristiane Bernardes
Fonte: Câmara dos Deputados

O presidente da Oi, Luiz Eduardo Falco, afirmou que o objetivo principal da compra da Brasil Telecom pela Oi é a criação de uma empresa multinacional de telecomunicações. Segundo ele, uma empresa desse porte no Brasil permitirá o retorno dos investimentos em ciência e tecnologia, prejudicados com a privatização do setor. Ele ressaltou que o País tem condições para isso, pois possui técnicos e conhecimento suficientes. O presidente da Oi enfatizou que a empresa é a terceira do setor que mais investe em pesquisa e desenvolvimento no País.

Falco participa neste momento de audiência pública para discutir a operação de compra. Segundo ele, o acordo de acionistas prevê que, nos três primeiros anos após a compra, não haverá redução dos postos de trabalho. "A expectativa do grupo é que sejam geradas 800 novas vagas no País, 300 delas em São Paulo", disse.

O executivo destacou a importância da convergência tecnológica no mercado, algo que não estava previsto na época da privatização do mercado de telecomunicação brasileiro. Ele lembrou que, depois do período de consolidação dos mercados, sempre há a redução no número de empresas que atuam, como já ocorreu nos Estados Unidos e na Europa.

Falco afirmou que a operação de compra também é boa porque a nova empresa terá 29% da receita do Brasil, enquanto o grupo mexicano Telmex tem 20% e o espanhol Telefônica tem 40%. A compra da Brasil Telecom, segundo ele, causará um equilíbrio entre os três competidores. "No mercado mundial, o grupo mexicano é três vezes maior que o nosso, enquanto o espanhol é oito vezes maior", informou.

Crescimento do setor
Também na audiência, o diretor de Planejamento Estratégico da Brasil Telecom, Ari Joaquim da Silva, lembrou que o setor de telecomunicações investiu R$ 183 bilhões no País entre 1997 e 2007, gerando 329 mil vagas de trabalho. Ele ressaltou que o setor tem uma participação de 6,2% do PIB e contribuiu com R$ 37 bilhões em arrecadação de impostos somente no ano passado.

Silva lembrou que, em 1997, havia 18 milhões de acessos de telefonia fixa, número que saltou para 40 milhões em 2007. No caso dos telefones celulares, os 5 milhões de acessos em 1997 passaram para 121 milhões no ano passado. Em 2001, apenas 6% das residências tinham telefones móveis no Brasil, enquanto 28% tinham esse serviço em 2006.

O diretor de Planejamento Estratégico da Brasil Telecom informou que, na América Latina, os grupos Telefônica (da Espanha) e Telmex (do México) controlam 60% dos acessos fixos e 73% dos acessos móveis.

A audiência está sendo promovida pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e de Defesa do Consumidor. A reunião ocorre no plenário 13.