Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

10/10/2013 às 08:49

CPI quer ouvir Edward Snowden

Escrito por: Redação
Fonte: Jornal do Commercio

Senadores anunciaram que vão procurar os advogados do ex-espião americano e a embaixada da Rússia, país onde ele está asilado, para fazer videoconferência

BRASÍLIA - A CPI da Espionagem no Senado quer fazer uma videoconferência com Edward Snowden, ex-técnico da Agência de Segurança Nacional (NSA) que revelou um amplo esquema de espionagem dos EUA neste ano. Integrantes da CPI também não descartam acionar a Justiça para ter acesso aos documentos vazados por Snowden e que ainda não foram divulgados pelo jornalista Glenn Greenwald.

Ontem, integrantes da CPI anunciaram que vão procurar o advogado de Snowden e a embaixada Rússia, país onde ele está asilado, para tentar autorização para a videoconferência. A decisão foi tomada depois que o responsável pelas reportagens que denunciaram a espionagem dos EUA sobre o Brasil e outros países, Glenn Greenwald, defendeu que o governo brasileiro conceda asilo político ao ex-técnico.

Em depoimento à CPI ao lado do seu companheiro, o brasileiro David Miranda, Greenwald disse que não pode dar detalhes do conteúdo espionado pelos EUA porque a fonte das informações é Snowden. "Ele está em situação perigosa. Se vocês quiserem informações reais e saber detalhes como tudo a fundo, vocês têm como trazer o Snowden para o Brasil. Se vocês derem asilo para ele, poderão ter essa informação", completou Miranda.

O companheiro de Greenwald foi detido por mais de nove horas no aeroporto de Heathrow, em Londres, em agosto quando deixava o país para embarcar para o Brasil. Ele garante que as autoridades britânicas ainda não conseguiram acessar o conteúdo do material apreendido, que foi criptografado por Snowden.

Os dois afirmaram que têm documentos em mãos repassados por Snowden que serão analisados para futuras reportagens, por isso não descartam o surgimento de novas denúncias envolvendo o Brasil.

O senador Pedro Taques (PDT-MT) pediu para os dois disponibilizarem à CPI os documentos que comprovariam o crime de espionagem. Mas eles recusaram: "Esse pedido é inviável. São documentos muitos sensíveis, que envolvem outros países. Estaremos entregando documentos do EUA ao Brasil, isso é traição", afirmou Miranda. O relator da CPI, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), afirmou que não descarta acionar a Justiça para requisitar os documentos ainda não divulgados que estão com o britânico.

Miranda e Greenwald disseram que estão dispostos a colaborar repassando a documentação que já foi divulgada em reportagens e acreditam que dificilmente as autoridades brasileiras conseguiriam quebrar a criptografia dos arquivos que ainda não vieram a público e estão sendo analisados.

Também rebateram argumentos do comando da Petrobras de que dados da empresa são invioláveis. Reportagem de Greenwald, com base em documentos vazados por Snowden, mostrou que a espionagem da NSA atingiu a empresa brasileira. "É muito difícil se proteger contra o sistema dos EUA. Acho que tem um motivo sério contra a Petrobras, mas não posso falar especificamente o que estão coletando porque eu não sei", afirmou Greenwald.