Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

13/04/2018 às 19:41

Editor de desenvolvimento digital da BBC World Service falou sobre lições e desafios nesta área durante o mídia.JOR 4.0

Escrito por: Denilson Oliveira
Fonte: Portal Imprensa

Um dos painéis mais aguardados do midia.JOR 4.0, realizado pela Revista e Portal IMPRENSA na última sexta-feira, dia 6, foi o de Dmitry Shishkin, editor de desenvolvimento digital da BBC World Service.
 
hishkin conversou com Renato Cruz, coordenador de conteúdo do evento e editor do inova.jor, via vídeo conferência direto de Londres, na Inglaterra. O jornalista falou sobre os desafios e as lições que o serviço mundial da BBC tem aprendido diante das recentes transformações digitais na comunicação. “Tivemos a maior expansão de nossa rede nos últimos anos e hoje trabalhamos em 27 idiomas diferentes. Ainda precisamos de um tempo para analisar tantas mudanças na comunicação. Mas temos trabalhado bastante nesse sentido. Minha função é ver que tipo de investimento precisamos fazer e quais especialidades eu preciso”, disse.
 
Um dos principais desafios de sua equipe é traduzir e produzir conteúdo em idiomas específicos, como afaan oromoo (dialeto afro-asiático), igbo (falado por mais de 20 milhões de pessoas na Nigéria) e iorubá (idioma de países ao sul do Saara, principalmente na Nigéria e por minorias em Benim, Togo e Serra Leoa). Em março, a BBC também estreou seu serviço em sérvio.
 
Shishkin também falou sobre a adoção de uma abordagem editorial que satisfaça seis necessidades distintas do usuário, o que tem sido um grande sucesso para o Serviço Mundial da BBC. Estas são as necessidades:
Me atualize
Me inspire
Me divirta
Me eduque
Mantenha-me antenado
Me dê perspectiva
 
Ele também abordou a questão das redações tomarem decisões baseadas em dados. “Embora as organizações de notícias não devam ser ditadas pelos dados, é importante usar essas informações para tomar as decisões editoriais e entender por que as histórias apresentam bom desempenho e, mais importante, por que algumas histórias não funcionam”. O jornalista deu esse exemplo baseando-se na experiência de crescimento na Ásia Oriental. A BBC Thai começou a publicar menos histórias, porém mais valiosas, levando a um aumento em navegadores semanais únicos, embora o número de matérias produzidas por semana tenha diminuído quase pela metade.
 
Outro destaque do serviço mundial da BBC, incluindo o brasileiro, foi a criação do que eles chamam de jornalismo visual, que causa bastante impacto e engajamento nas redes sociais. Shishkin explicou como sua equipe faz para colocar no ar esse novo conceito. “Em vez de uma única equipe central de jornalismo visual que atende a todas as agências, o Serviço Mundial da BBC criou uma rede de equipes em todo o mundo. Consistindo de um designer, um desenvolvedor e um jornalista visual, cada equipe satisfaz as necessidades de várias agências a qualquer momento, com o conteúdo sendo distribuído entre todas as outras equipes, se necessário”.
 
Ele também debateu a respeito do uso de automação nas redações. “A introdução de processos de automação, especialmente em organizações maiores, pode simplificar os fluxos de trabalho e liberar o tempo dos jornalistas, permitindo que eles se concentrem em tarefas mais valiosas. Um exemplo é o Stitch Reversioning System, usado pelos escritórios da BBC World Service, que permite aos jornalistas criar facilmente versões de vídeos legendados em vários idiomas". A empresa hoje conta com essa tecnologia de última geração que usa inteligência artificial para fazer a tradução de textos e vídeos. “Esse material é traduzido automaticamente, um editor corrige possíveis erros e adapta o conteúdo e, em alguns casos, dispomos de uma ferramenta de vozes sintetizadas que já faz a narração no idioma local”, conta.
 
No Brasil, o serviço da BBC completou recentemente 80 anos e é o segundo mais acessado em todo o planeta, ficando atrás apenas da BBC Mundo, que divulga material em espanhol para todos os países da América Latina.
 
O mídia.JOR 4.0 conta com o patrocínio dos Correios e o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, além da parceria com o curso de jornalismo da ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo. O apoio de mídia de Abril e Propmark, e o apoio institucional da ABERT, ABI, ABRADi, ABRAJI, ANER, ANJ e FENAJ. 
 
Confira a cobertura do evento e conteúdos relacionados em: 
www.portalimprensa.com.br/midiajor