Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

24/08/2010 às 14:40

Empresas fazem proposta de conversor digital a R$ 237,00

Escrito por: Adriano de Sá Godoi
Fonte: Ministério das Comunicações

Proposta apresentada durante reunião com representantes do governo federal foi descartada. Meta é reduzir ainda mais o preço do equipamento

Brasília – Na primeira reunião com o governo federal, o consórcio de empresas formado para produzir conversores para a TV Digital a preços mais acessíveis propôs que o equipamento custe entre R$ 237,00 e R$ 356,00 ao consumidor final. Esse valor já incluiria isenção e redução de impostos. A proposta, apresentada durante reunião nesta segunda-feira, 23 de agosto, no Ministério das Comunicações, foi descartada pelo governo, que quer uma nova proposta, com o preço do set top box mais baixo. A próxima reunião entre os empresários e o governo federal ocorrerá no dia 8 de outubro.

“Nosso principal desafio é a redução do custo de produção e de distribuição desse equipamento, que vai possibilitar ao usuário receber o sinal da TV Digital”, disse o secretário de Telecomunicações do Minicom, Roberto Pinto Martins. Ele acrescentou que outros fatores como a cobertura da TV Digital, a interatividade e os conteúdos a serem disponibilizados também serão objeto de discussão, mas baixar o valor do equipamento é o mais importantes neste momento.

Para o Assessor Especial da Casa Civil, André Barbosa, R$ 237,00 é um valor muito alto para o consumo das classes D e E. “Vamos ter de baixar esse preço para um valor plausível, que atenda a população de baixa renda”, disse. Segundo ele, existe um mercado consumidor para o equipamento de 15 milhões de famílias somente nessas duas classes sociais. André Barbosa destacou que as classes D e E já têm grande parte de sua renda mensal comprometida, o que inviabiliza a compra do set top box a um preço alto.

A estimativa é que o país tenha de 60 a 80 milhões de televisores que vão precisar do conversor digital nos próximos anos. O objetivo é que o equipamento a preço mais barato comece a ser vendido no mercado entre março e abril de 2011. O sistema nipo-brasileiro de TV Digital deverá cobrir todo o território nacional até 2013. E as transmissões do sinal digital serão intensificadas com os eventos da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas no Rio de Janeiro, em 2016.

Encontros
Antes da nova reunião entre os empresários e o governo federal, três outros encontros serão realizados. Em uma dessas frentes, o Ministério da Fazenda e bancos do governo deverão discutir com as empresas alternativas para reduzir o valor do conversor, após receber as planilhas de custos de produção do equipamento.

Em outra reunião, o BNDES e empresas interessadas em fabricar o set top box vão discutir o processo de habilitação para ter acesso a crédito da instituição. Ao mesmo tempo, representantes de vários ministérios deverão se encontrar para discutir quais conteúdos já estão consolidados pelos órgãos na internet e que poderão migrar para a TV Digital. A iniciativa tem o objetivo de incrementar a interatividade possibilitada pelo sistema adotado pelo Brasil.

Durante a apresentação da proposta, o consórcio de empresas que trabalha na produção do conversor digital fez um demonstrativo das possibilidades e características do equipamento. A intenção é torná-lo atraente ao consumidor final, principalmente com investimento em recursos de conteúdo interativo permitido pela TV Digital. O set top box virá com uma série de aplicativos. Com isso, o usuário poderá usufruir de recursos como serviços bancários e públicos nas áreas de saúde, segurança e educação.

A reunião contou com a participação de representantes dos ministérios das Comunicações, da Fazenda e da Ciência e Tecnologia; Casa Civil, BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Entre as empresas que integram o consórcio estão Totvs, Semp Toshiba, Visiontec, Positivo Informática, Broadcom e ST Microeletrônica.