Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

12/01/2016 às 15:14

Entrevista de El Chapo a Sean Penn para a 'Rolling Stone' gera debate entre jornalistas

Escrito por: Redação
Fonte: Portal Imprensa

O mexicano, que havia fugido da prisão em julho de 2015, foi recapturado um dia antes da publicação da entrevista

O encontro do ator Sean Penn com Joaquín “El Chapo” Guzmán, o traficante mais procurado do mundo, enquanto ele ainda fugia das autoridades, gerou um debate sobre a ética jornalística. O resultado da conversa foi publicado pela revista americana Rolling Stone no último sábado (9/1).
 
 
A dupla se reuniu, em outubro do ano passado, em uma região de selva do México. O encontro também contou com a presença da atriz Kate del Castillo.  O mexicano, que havia fugido da prisão em julho de 2015, foi recapturado um dia antes da publicação da entrevista.
 
Segundo o Washington Post, após a divulgação do diálogo, uma série de questionamentos foram feitos sobre a decisão da revista e do ator em lidar com um criminoso perigoso e procurado pela polícia, e por permitir que El Chapo lesse e aprovasse o texto antes da publicação.
 
Alguns jornalistas criticaram a entrevista. "Chapo e Hollywood, Sean Penn? Claro, faz sentido. Apenas não chame isso de jornalismo", escreveu Alfredo Corchado, chefe do jornal americano Dallas Morning News no México, em seu perfil do Twitter. "Chamar o encontro de Chapo com Sean Penn de entrevista é um insulto épico aos jornalistas que morrem em nome da verdade", acrescentou.
 
Segundo a Organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), o México é um dos países mais perigosos do mundo para jornalistas. Além disso, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) informa que, desde 1992, mais de 80 profissionais foram mortos no país.
 
Ao Post, a jornalista Dana Priest lembrou que leitores de jornais no México "não têm conhecimento sobre a vida e morte de editores por suas decisões diárias para não irritar diferentes comandantes dos cartéis locais".
 
O diretor-executivo do CPJ, Joel Simon, disse que deixaria o debate na mídia. Ele sugeriu que as pessoas considerem o grau de autocensura que ocorre em todo o México. Segundo ele, os jornalistas não recebem nenhuma proteção do governo, que, muitas vezes, é cúmplice dos riscos que correm para escrever.
 
Corchado ponderou ainda que ficou incomodado com a forma como as informações foram obtidas. "A entrevista veio com grandes amarras, como a aprovação final por Chapo do artigo. Isso equivale a censura semelhante que meus colegas mexicanos enfrentam hoje. A diferença é que se eles não cumprirem, eles não podem viver para contar sobre isso."