Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

04/11/2015 às 16:45

Exército israelense anuncia fechamento de rádio de partido palestino na Cisjordânia

Escrito por: Redação
Fonte: Opera Mundi

Em nota, militares alegaram que estação, pertencente ao Fatah de Mahmoud Abbas, 'incitava' onda de violência na região

O Exército israelense fechou nesta terça-feira (03) uma estação de rádio do partido Fatah, do presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, situada na cidade de Hebron, Cisjordânia.
 
Em nota, a instituição alegou que a rádio Al-Hurria "incitava e encorajava a atual onda de violência" na região. Na operação, soldados israelenses confiscaram equipamentos eletrônicos de transmissão, confirmou a agência oficial palestina Ma'an.
 
"Como parte da luta contra a incitação, o Exército e a Administração Civil lançaram uma operação para fechar a estação de rádio Al Hurria", argumentaram os militares israelenses, em comunicado.
 
Al-Hurria, que significa "liberdade" em árabe, foi criada em 2002 na Faixa de Gaza pelo Fatah. Cinco anos depois, a sede foi transferida para Hebron após o Hamas tomar poder no enclave palestino, em 2007.
 
Esta não é a primeira vez que Tel Aviv encerra as transmissões da rádio. Em 2002 e 2008, o Exército já havia tomado medidas semelhantes para bloquear a difusão de informações do movimento nacionalista palestino.
 
Tensão
 
Desde o dia primeiro de outubro, uma onda de violência na região já resultou na morte de ao menos 69 palestinos e dez israelenses. A tensão aumentou quando o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, barrou a entrada de palestinos à Cidade Velha de Jerusalém, onde está situada a Esplanada das Mesquitas.
 
O local se tornou alvo de hostilidades entre palestinos muçulmanos e judeus ultraortodoxos há meses. Embora seja considerado direito exclusivo de culto à fé islâmica, ultraortodoxos reivindicam o acesso, pelo fato de que a mesquita de Al-Aqsa estar situada embaixo do antigo Monte Templo, extremamente importante para a tradição judaica.
 
A polícia israelense interveio em diversas ocasiões e chegou a ocupar a Esplanada das Mesquitas, gerando fúria dos palestinos. Enquanto isso, cidades na Cisjordânia ocupada como Hebron e Nablus têm sido palco de séries de enfrentamentos entre cidadãos palestinos e soldados israelenses.