Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

25/07/2016 às 17:43

Facebook e Twitter cooperaram com Operação Hashtag

Escrito por: Redação
Fonte: Opiniao e Noticia

Entrega de dados à PF por empresas de mídias sociais é assunto polêmico no país

O juiz responsável pela investigação que levou à prisão, na semana  passada, de supostos militantes do Estado Islâmico no Brasil, disse que o Facebook e o Twitter colaboraram com os investigadores, fornecendo informações sobre o conteúdo das conversas compartilhadas pelos suspeitos em suas redes sociais.
 
Em uma entrevista na noite de domingo, 24, o juiz Marcos Josegrei da Silva disse que a cooperação por parte de ambas as empresas, depois de uma ordem judicial ligada à investigação, foi fundamental para compreender a natureza das discussões levadas a cabo pelos 12 suspeitos presos até agora.
 
“As empresas começaram a fornecer dados relacionados ao conteúdo das conversas e dados sobre onde essas conversas foram postadas”, disse o juiz, sem fornecer mais detalhes.
 
Porta-vozes do Facebook e do Twitter se recusaram a comentar detalhes do caso. Ambos disseram que suas respectivas empresas têm tolerância zero para atividades relacionadas ao terrorismo e outros crimes e que cooperam com as autoridades policiais quando necessário.
 
Operação Hashtag
 
Os suspeitos foram presos como parte da Operação Hashtag, da Polícia Federal. Eles seriam simpatizantes do grupo militante Estado Islâmico e haviam discutido, em aplicativos de mensagens e redes sociais na internet, formas de atacar os Jogos Olímpicos no Rio.
 
Na entrevista, o juiz disse que “não há anonimato para esses tipos de atividades na internet”.
 
A declaração do juiz sobre a cooperação por parte das empresas de mídia social vem em meio a um crescente debate no Brasil sobre questões de privacidade e a aplicação da lei no país.
 
O serviço de mensagens WhatsApp do Facebook, por exemplo, foi bloqueado temporariamente pela Justiça brasileira em pelo menos três ocasiões — mais recentemente na semana passada – como forma de pressionar a empresa a entregar à Polícia Federal dados de usuários suspeitos de cometer crimes no país.
 
Comparado ao conteúdo no Facebook, Twitter e outras redes sociais nas quais os usuários compartilham informações abertamente com outros usuários, no entanto, os dados enviados pelo WhatsApp e serviços de mensagens semelhantes são criptografados. Os dados são embaralhados antes do envio, de modo que as empresas alegam que nem elas mesmas conseguem acessá-los.