Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

30/01/2014 às 07:02

HQs independentes concorrem num dos principais festivais do gênero

Escrito por: Redação
Fonte: O Globo Online

Angoulême começa nesta quinta-feira e vai até domingo

RIO - Duas publicações representarão os quadrinhos underground do Brasil na 41ª edição do prestigiado festival de Angoulême, que começa nesta quinta-feira e vai até domingo, dia 2, na pequena cidade medieval francesa. A paulista "Café Espacial" e a paraibana "Maria Magazine" foram indicadas pela organização e concorrem com outras 43 obras ao prêmio de melhor revista alternativa.

Apesar de outros quadrinhos nacionais terem sido selecionados no passado, o Brasil nunca levou o prêmio. Veteranos em indicações, os editores Henrique Magalhães e Sérgio Chaves afirmam que a qualidade das revistas brasileiras é a mesma das estrangeiras.

- As nossas melhores publicações independentes não ficam a dever a nenhuma das que são apresentadas em Angoulême. Atingimos um ponto de concepção e acabamento que nos permite estar no páreo sem vergonha - diz Magalhães, responsável pela "Maria Magazine".

Muito comuns no circuito alternativo antes da popularização da internet, as revistas migraram para o mundo on-line no fim dos anos 1990. A mudança ajudou a diminuir custos e superar obstáculos geográficos, mas os dois editores continuam a reconhecer a importância da veiculação em papel.

- Não devemos menosprezar, ainda, as publicações impressas. Considero que esse continua sendo o melhor suporte para os fanzines e revistas independentes. O que tem mudado é o modo de circulação, que se dirige às livrarias especializadas - explica Magalhães.

Responsável pela "Café Espacial" junto com a jornalista Lídia Basoli, Chaves acredita que papel e internet convergem para amplificar o alcance das revistas independentes.

- A internet ampliou infinitamente o espaço para a experimentação e fortaleceu o espaço dos quadrinhos alternativos. Ampliou, não substituiu. Eu mesmo vivenciei essa transição, dos fanzines datilografados às facilidades das publicações eletrônicas, e nunca deixei de publicar em papel - conta.

As duas revistas têm pequena tiragem e apostam em um círculo fiel de leitores para se viabilizarem. Enquanto a "Café Espacial" publica mil exemplares, a "Maria Magazine" tem apenas 200. Além da diferença nos números, as propostas estéticas das duas revistas representam bem a diversidade dos conteúdos produzidos no Brasil.

Com quadrinhos mais ácidos, a "Maria Magazine" se encaixa na escola do humor anárquico, inaugurada por Laerte, Angeli e Glauco nos anos 1980. Já a "Café Espacial" mistura textos sobre literatura e cinema a quadrinhos mais existenciais e de traços bem acabados.

Evento completa 40 anos

Realizado desde 1974, o festival é o maior do gênero na Europa e costuma atrair 200 mil pessoas para Angoulême, no Sudoeste da França. Ao todo, 14 prêmios são distribuídos às melhores publicações do planeta.

Como bons independentes, os editores brasileiros não poderão andar pelas ruas da charmosa cidade e nem receber o troféu in loco caso sejam premiados. A organização do evento não custeia as despesas de viagem e, por isso, eles estarão torcendo por seus trabalhos no Brasil.

- Não estaremos na França durante o evento, infelizmente. Trata-se do quarto ano consecutivo em que somos selecionados para Angoulême e infelizmente ainda não tivemos o prazer de conferir de perto o festival - lamenta Chaves.