Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

09/07/2015 às 13:48

IBM apresenta primeiro chip de 7 nanômetros

Escrito por: Luís Osvaldo Grossmann
Fonte: Convergência Digital

Em sinal de que a Lei de Moore vai permanecer válida por pelo menos mais uma geração, a IBM apresentou o primeiro chip de 7 nanômetros, o que é uma nova marca para a indústria de semicondutores mundial – atualmente, os chips mais avançados em uso disseminado são de 14 nm.
 
Embora não seja mais fabricante, a IBM chegou ao feito com alguns avanços significativos e pela parceria com Samsung, SUNY Polytechnic Institute e a GlobalFoundries – empresa que nasceu da AMD em 2009 e produz chips para a própria AMD e a IBM.
 
Esse consórcio, anunciado pela IBM há cerca de um ano, invstiu US$ 3 bilhões (ou quase R$ 10 bilhões) em um programa de pesquisa com foco exatamente em novas soluções para a próxima geração de microchips. E há duas inovações significativas no processo do chip de 7 nm.
 
A primeira é pelo fato de o wafer que serve como base para os novos chips usar uma mistura de silício e germânio. Com isso, superou o que parecia uma barreira aos chips com menos de 10 nm, por conta de dificuldades de transmissão de elétrons nessa escala minúscula com uso de silício puro.
 
Além disso, o chip apresentado pela IBM é o primeiro a usar litografia de ultravioleta extrema (EUV, na sigla em inglês) – uma solução para o ‘desenho’ dos chips nessa escala tão pequena, graças ao uso de feixes de laser com espessura medida em átomos.
 
Já existem no mercado chips de 10 nm – embora os de 14 nm ainda sejam mais comuns. Segundo divulgou a IBM, o novo chip de 7 nm com o uso desse laser tão fino é capaz de uma redução “de quase 50%” na área utilizada nos chips de 10 nm. Também promete redução do uso de energia.
 
No conjunto, o feito do consórcio liderado pela IBM sinaliza a viabilidade comercial de uso dessas novas tecnologias – até aqui tidas como muito caras e muito difíceis de usar – ainda que produtos com chips de 7 nm não devam aparecer no mercado antes de 2018.
 
* Com informações da Ars Technica