Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

23/09/2016 às 15:42

Internautas brasileiros reprovam política de privacidade do WhatsApp

Escrito por: Redação
Fonte: Convergência Digital

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) divulgou, nesta quinta-feira, 22/09, os resultados da enquete realizada entre os dias 8 a 21 de setembro sobre os novos termos de uso do WhatsApp. O questionário identificou a percepção dos consumidores sobre as mudanças na política de privacidade, que passarão a valer a partir do próximo domingo. 
 
No total, 2.463 pessoas responderam a enquete online. Para 63,5% delas, os termos de uso do aplicativo são injustos, pois "o WhatsApp protegia a privacidade" e não tem "como escolher o que quero compartilhar com o Facebook". A enquete também mostra desconfiança com relação à criptografia ponta-a-ponta. Quase metade dos participantes (48%) acredita que o conteúdo das comunicações será compartilhado com outras empresas. 
 
“As pessoas acham que a única mudança que está acontecendo é o compartilhamento dos dados da agenda telefônica do WhatsApp com o Facebook. Há muito mais por trás da mudança dos termos de uso e o WhatsApp falhou em garantir o consentimento livre para todas essas escolhas, desrespeitando o Marco Civil da Internet”, ressalta Rafael Zanatta, especialista do Idec.
 
A enquete ainda apontou que para 25,7% os termos são confusos, indicando que a empresa não soube explicar, de forma didática e compreensível, o que será compartilhado. Segundo aponta o relatório do Idec Consentimento Forçado?, que apresenta os dados da enquete, esse dado reforça a tese de que o WhatsApp não está sendo suficientemente transparente com relação ao uso dos dados de conexão, geolocalização, interação do usuário com outras pessoas e aparelho telefônico usado. 
 
“Todas essas informações dizem muito sobre quem o usuário é, por onde ele anda e o que ele faz. Se o Facebook quer lucrar com a coleta desses dados, precisa da autorização das pessoas. Precisa ter boa-fé e transparência com os 100 milhões de consumidores no Brasil”, acrescenta o especialista do Idec. O relatório ainda traz recomendações para empresas privadas de tecnologia que atuam no Brasil. 
 
O Idec defende, também, a instauração de inquérito civil para averiguação de violação de direitos coletivos e cooperação, por parte da Secretaria Nacional do Consumidor, com autoridades garantidoras de proteção de dados pessoais em países estrangeiros.
 
“O Brasil é um dos maiores afetados por tais mudanças, pois responde por 10% da base de clientes do WhatsApp. Porém, não podemos esquecer que o problema da privacidade é global e precisa de mais colaboração internacional por parte de reguladores e da própria sociedade civil”, finaliza Rafael Zanatta.