Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

21/10/2015 às 15:46

Jornalistas questionam versão oficial sobre morte de Osama Bin Laden

Escrito por: Redação
Fonte: Portal Imprensa

Jornalistas colocam em dúvida versão oficial da morte do terrorista

Jornalistas americanos voltaram a colocar em debate as circunstâncias da operação que matou Osama Bin Laden, líder do grupo extremista Al-Qaeda, em 2011. A discussão foi motivada pela edição de domingo da revista do New York Times que trazia na capa a pergunta: “O que sabemos realmente sobre a morte de Bin Laden?”.
 
Segundo o Notícias ao Minuto, a publicação lembrou de um artigo do repórter Seymour Hersh para a London Review of Book, publicado em maio deste ano. Ganhador do Pulitzer de 1970, a mais importante premiação jornalística dos Estados Unidos, Hersh afirma que a morte de Bin Laden não foi alvo de uma operação arriscada e secreta, mas da cooperação entre militares americanos e paquistaneses.
 
Segundo ele, o líder terrorista não teria sido encontrado após uma série de interrogatórios e investigações envolvendo seu mensageiro, mas com o auxílio do Paquistão, que o estaria mantendo sob custódia com ajuda financeira da Arábia Saudita em um complexo na cidade paquistanesa de Abbottabad.
 
O ataque teria o aval de oficiais paquistaneses depois que os EUA descobriram onde Bin Laden estava e um acordo teria sido fechado para que os americanos operassem a área. De acordo com o jornalista, o líder foi assassinado friamente em vez de ter sido atingido em meio à invasão.
 
Na última terça-feira (20/10), o atual vice-presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou que, quando chegou à Casa Branca a informação de que Bin Laden estaria no Paquistão, ele disse a Barack Obama que achava que o país devia fazer uma operação militar para capturar o terrorista. Porém, não foi a versão que contou em 2012. Na ocasião, Biden afirmou que tinha dito exatamente o contrário ao presidente.
 
Jornalistas do The New York Times saíram em defesa de Hersh. Entre eles está Carlotta Gall, correspondente no Afeganistão e no Paquistão por 12 anos. Ela reforça a informação de que Bin Laden era mantido em uma espécie de prisão em Abbottabad. 
 
Além dos profissionais, o diretor-adjunto do Washington Post e também vencedor do Pullitzer por trabalhos precisamente sobre Bin Laden e a CIA, Steve Coll, defendeu a versão. Coll diz que o colega é verdadeiro quando informa que os Estados Unidos localizaram Bin Laden por meio de um antigo general paquistanês a quem pagaram 25 milhões de dólares.