Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

05/05/2018 às 20:25

Liberdade de Imprensa não se negocia, se defende

Escrito por: Redação
Fonte: Fenaj

No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) vem a público reafirmar a importância do Jornalismo e dos jornalistas na defesa desse princípio fundamental para a democracia e a constituição da cidadania.
 
Ao mesmo tempo, como representante máxima da categoria no país, a FENAJ denuncia as graves ameaças à liberdade de imprensa, que estão presentes no Brasil, e soma-se à Federação de Jornalistas da América Latina e do Caribe (Fepalc, por sua sigla em espanhol) para denunciar que essa ameaças atingem o conjunto dos países da América Latina e do Caribe.
 
Entre as ameaças, destacam-se as censuras veladas (econômicas e políticas), a concentração da propriedade dos meios de comunicação e a violência contra os jornalistas, incluindo o cerceamento a sua autonomia ético-profissional que não é respeitada na maior parte das redações.
 
Junto com a Fepalc, a FENAJ denuncia a gravidade da situação em que se encontram os trabalhadores e trabalhadoras do Jornalismo na América Latina e no Caribe, em razão do desemprego, dos baixos salários e da violência de que têm sido vítimas constantes. Neste ano, 11 jornalistas foram assassinados na região, um deles no Brasil, onde também se registrou a morte de um radialista. Além das mortes, um jornalista haitiano encontra-se desparecido.
 
A FENAJ, mais uma vez, cobra do governo políticas públicas e planos de ações para garantir a segurança dos jornalistas no exercício de sua profissão. Igualmente, cobra a regulação dos meios de comunicação, para que a sociedade brasileira passe a contar com uma imprensa verdadeira livre e democrática, submetida às mesmas regras de transparência e de supervisão de outros setores econômicos.
 
Sabemos que o Brasil está vivendo em um Estado de Exceção, no qual as Instituições democráticas estão comprometidas, e que em vários países da América Latina e do Caribe, a democracia também está ameaçada. Mas FENAJ e Fepalc cumprem seu papel de defender os/as jornalistas e de denunciar a violência de que são vítimas.
 
Para que não se esqueça, para que não se repita! Pelo fim da impunidade!
 
 Jornalistas que perderam a vida em 2018
 
Brasil
 
                 Ueliton Bayer Brizon
 
                Jefferson Pureza Lopes (radialista)
 
 
 
Equador ?
 
                Javier Ortega
 
                Paul Rivas
 
El Salvador ?
 
                Karla Turcios
 
Guatemala
 
              Laurent Ángel Castillo Cifuentes
 
             Luis Alfredo de León Miranda
 
             José Daniel Rodrí
 
México ?
 
                Carlos Domínguez
 
                Pamela Montenegro
 
                Leobardo Vázquez Atzin
 
Nicaragua ?
 
              Ángel Eduardo Gahona
 
Haiti
 
             Vladjimir Legagneur (desaparecido)
 
Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ
 
Federação de Jornalistas da América Latina e Caribe – FEPALC