Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

15/12/2015 às 13:32

Mais de 50 jornalistas são mantidos reféns em diversas partes do mundo, aponta RSF

Escrito por: Redação
Fonte: Portal Imprensa

Estado Islâmico é responsável pelo maior número de jornalistas sequestrados no mundo

Cinquenta e quatro jornalistas continuam sequestrados em todo o mundo. O número é superior ao do ano passado, quando foram constatados 40 casos, apontou o relatório anual da Organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF).
 
No levantamento, a RSF destaca que a Síria se transformou no lugar mais perigoso do mundo para os jornalistas, que "são um alvo fácil para grupos radicais como o Estado Islâmico ou a Frente Al-Nusra". Ao todo, 26 profissionais são reféns nessa região. Apenas o EI mantém 18 deles em cativeiro na Síria e no Iraque.
 
Embora o índice de jornalistas sequestrados seja alto, o número de novos casos de raptos caiu 34% este ano. A justificativa indicada pela ONG é a mudança da situação na Ucrânia, onde havia maior incidência em 2014.
 
Cerca de 70% dos sequestros deste ano ocorreram em zonas de conflito e somente 5% eram jornalistas estrangeiros no país onde foram feitos reféns. O número de profissionais presos também teve queda, passando de 178 em 2014 para 153 este ano.
 
Apesar da baixa, a ONG alerta que ainda há casos que devem ser lembrados, como o da China, onde 23 jornalistas estão presos. Em seguida aparece o Egito, com 22, o Irã, 18, e a Eritreia, 15. A RSF também inclui 161 "jornalistas-cidadãos" e 14 colaboradores.
 
A Turquia também provocou preocupação da entidade, que se referiu ao país como a uma "espiral repressiva", classificando-o entre as cinco maiores prisões do mundo para jornalistas. No total, nove profissionais foram detidos.
 
De acordo com a organização, oito jornalistas são considerados desaparecidos, isto é, "quando não há elementos suficientes para determinar se foi vítima de um homicídio ou de um sequestro e não existe nenhuma reivindicação verificável".
 
O Oriente Médio e o norte da África são as regiões com o maior índice de profissionais desaparecidos. "A incerteza que existe sobre o destino dos desaparecidos é uma temível arma de dissuasão para os que querem trabalhar em zonas de risco", afirma.
 
O balanço divulgado na última segunda-feira (14/12) não inclui os jornalistas mortos em 2015. O número será anunciado pela RSF no final de dezembro.