Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

23/03/2018 às 19:21

O jornalismo corre sérios riscos na Turquia de Erdogan

Escrito por: Redação
Fonte: Portal Vermelho

O jornal Hürriyet ou a televisão CNN Turk, que mantinham uma cobertura independente na Turquia, serão vendidas a um empresário próximo do Presidente turco, o que pode significar que agora a cobertura será a favor da palavra de Erdogan 
 
O último grande grupo de mídia com publicações que mantêm uma cobertura crítica do Presidente turco esta negociando a venda dos seus jornais, como o Hürriyet, canais de televisão – entre elas a CNN Turk – e rádios para a coorporação Demiroren, considerada próxima de Recep Tayyip Erdogan.
 
“Esta venda é a morte do pluralismo e do jornalismo independente na mídia turca de grande difusão”, disse à Reuters Orol Onderoglu, representante na Turquia dos Repórteres sem Fronteiras (RSF). O Hürriyet tem uma circulação de 300 mil exemplares, é um grande jornal turco, e mantém uma edição em inglês online.
 
O Cumhuriyet, um jornal de centro-esquerda, considerado de referência, viu o seu diretor e metade dos seus jornalistas serem presos e acusados sob o estado de emergência e de uma lei contra o terrorismo que a União Europeia e outras entidades dizem não cumprir os requisitos do Estado de direito. Juntamente com outros jornais independentes, como o Evrensel e o BirGun, não chegam a vender 45 mil exemplares diariamente, disse à Deutsche Welle Christian Mihr, também da RSF.
 
“O Governo tem agora completo controle da mídia, enquanto se prepara para as eleições de 2018. No meio de uma repressão sem precedentes da sociedade civil e da oposição, só uma mão-cheia de jornais de baixa circulação oferece ainda uma alternativa à propaganda governamental”, comentou Onderoglu. Após a venda, 21 dos 29 diários turcos serão controlados por empresas que apoiam Erdogan – 90% da circulação de jornais turca será pró-governo, estimou o diário turco Birgun, citado pela Reuters.
 
O grupo Dogan foi multado em 2,5 mil milhões de dólares em 2009 por não ter pago impostos – algo que foi visto como uma tentativa de forçar o grupo a calar críticas a Erdogan.
 
O proprietário do grupo, Aydin Dogan, foi obrigado a vender os jornais Milliyet e Vatan à Demiroren – uma holding que tem como principais interesses a energia, a construção e o turismo. Os dois jornais tornaram-se fervorosos apoiantes de Erdogan depois de terem sido vendidos.