Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

29/06/2016 às 17:36

O setor de Telecom perdeu atratividade, diz presidente do grupo América móvel

Escrito por: Miriam Aquino
Fonte: Tele Sintese

O presidente do grupo América Móvil, José Antônio Félix, afirmou hoje, 29, que as mudanças no marco regulatório de telecomunicações e a redução da carga tributária são necessárias para resgatar a atratividade econômica do setor. " Ninguém coloca dinheiro em setor de tão baixa atratividade. Há pouco tempo anunciavam que haveria novos entrantes nesse mercado, mas o que se observa é muito mais saintes do que entrantes", afirmou ele.
 
Ele voltou a afirmar que o grupo não é contrário à evolução do marco regulatório mas, para dar segurança jurídica aos investidores, defende que o país preserve os contratos de concessão.
 
Essa posição é diferente a das outras duas concessionárias – a Oi, que em recuperação judicial pede urgência para a o fim da concessão, e da Telefônica Vivo, que também quer o fim da concessão, mas acelerando as obrigações regulatórios.
 
Segundo o vice-presidente jurídico regulatório do grupo, Oscar Petersen, a América Móvil quer atualizações regulatórias e menos encargos aos serviços, mas essa posição não é contraditória com o fato de também defender a preservação dos contratos de concessão da telefonia fixa. E explica
 
-Nós temos uma concessão até 2025 e temos o direito de mantê-la até lá. Isso significa que se não concordarmos com as futuras regras, a migração para um novo regime não poderá ser impositiva, afirmou Petersen.
 
O presidente da Anatel, João Rezende, afirmou que qualquer migração não será forçada e as concessionárias terão seus direitos preservados. Mas Petersen salientou que há diferenças de modelagens e como exemplo citou a proposta do conselheiro Igor de Freitas (que reduz as concessões para pequenos pontos do país) apoiada pela América Móvil em detrimento à proposta do conselheiro Rodrigo Zerbone, que causou muita preocupação no grupo.
 
Segundo José Félix, o negócio de telecom passa por dificuldades econômicas e perde também a atratividade devido a alta carga tributária, que a cada dia aumenta mais no país. ”  O imposto que já era alto, ficou astronômico”, lamentou.