Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

26/11/2010 às 13:50

Padrão nipo-brasileiro de TV digital ganha força na África

Escrito por: Adriano Godoi
Fonte: Ministério das Comunicações

África Austral abre possibilidade para países adotarem o ISDB-T. Angola, Moçambique e Botsuana avaliam possibilidade de implantação do sistema

Brasília - Representantes do governo brasileiro conseguiram uma vitória no encontro da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), que discutiu sobre o padrão de TV digital a ser adotado por 15 países do continente. Após dois dias de reuniões, a comunidade decidiu recomendar a adoção do padrão europeu de TV digital (DVB-T2), mas deixou aberta a possibilidade de que cada país faça a sua escolha final.

“O fato de abrir a possibilidade para que os países adotem também o padrão nipo-brasileiro foi um grande sucesso”, avalia o assessor da Secretaria de Telecomunicações, Flávio Lenz, representante do Ministério das Comunicações no encontro.

Angola já demonstrou que quer adotar o ISDB-T. Moçambique e Botsuana também estão em negociações que poderão resultar na implantação do padrão nipo-brasileiro. Segundo Flávio Lenz, o principal motivador de Angola é baseado nas oportunidades de desenvolvimento que o ISDB-T pode trazer para aquele país.

A possibilidade aberta pela SADC deixou o governo brasileiro otimista com a possibilidade de expandir a presença do sistema nipo-brasileiro no continente africano. A estratégia é reforçar os pontos fortes do sistema ISDB-T.

Uma das desvantagens do padrão europeu, segundo Flávio Lenz, é a falta de assistência para os países que adotaram o DVB-T. “Isso tem acontecido na América Latina: na Colômbia e no Uruguai. Esses países já adotaram o sistema há vários anos, mas continuam com dificuldades para implanta-lo”, explica.

Já no caso do ISDB-T, Japão e Brasil têm garantido assistência aos países que decidem por esse padrão, o que acelera o processo de implantação. “A gente acredita que, uma vez que tenhamos adoções do padrão nipo-brasileiro na África, ficará claro para outros países que o sistema é um sucesso e poderá haver novas adesões”, reforça o assessor da Secretaria de Telecomunicações.

A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) recomendou a adoção do DVB-T2 para os países que ainda não fizeram investimentos na implantação da TV digital. O DVB-T2, que ainda não foi implementado em nenhum país, é uma nova versão do padrão DVB-T, atualmente utilizado pela Europa. Os países que já fizeram investimentos em DVB-T, caso da África do Sul, por exemplo, poderão inicialmente manter o DVB-T, mas terão de migrar posteriormente para o DVB-T2.