Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

12/03/2018 às 19:45

Pesquisa investiga meios de fortalecer o pensamento crítico em relação ao noticiário

Escrito por: Redação
Fonte: Portal Imprensa

Um professor de Comunicação e dois professores de Informática do Chile desenvolveram uma pesquisa com 75 estudantes secundários, 55 estudantes universitários e 25 especialistas em Comunicação visando encontrar elementos para fortalecer o pensamento crítico em relação a notícias da internet. Unindo ciência de dados e jornalismo, esses grupos analisaram notícias a respeito do movimento “No + AFP”, que reivindicava direitos no sistema de aposentadorias e ganhou as ruas chilenas de fevereiro a julho de 2016.
 
A ideia era identificar como integrar a ciência de dados como parte de uma metodologia para o pensamento crítico. O aporte tecnológico não trata de substituir os processos cognitivos humanos, mas de favorecer condições de melhor acessar a informação ou filtrá-la adequadamente. Os estudantes universitários pertenciam a diferentes áreas; os especialistas reuniam jornalistas experientes e professores de Comunicação. As tarefas foram: classificar 11 veículos de imprensa (direita, esquerda, centro, independente, não sei classificar), e caracterizar os mesmos veículos respondendo à seguinte pergunta: “considera que esses meios oferecem informação preferentemente a favor, neutra ou contra o movimento No + AFP”. A seguir, foram analisados 44 títulos jornalísticos (22 sem o título do veículo e 22 com a identificação do título do veículo).
 
 
Os dados foram tratados estatisticamente. Os estudantes conseguiram reconhecer mais os meios de direita que os de esquerda. Houve comparação com as classificações feitas pelos especialistas. O conhecimento prévio sobre o movimento foi um fator que influiu nas classificações; saber qual era o nome do periódico também influiu – pela força da marca. A pesquisa apontou pistas e reflexões para desenhar plataformas de exploração de dados a serviço do pensamento crítico sobre a imprensa.
 
A íntegra da pesquisa está disponível no site da Comunicar, revista científica de comunicação e educação (clique aqui).