Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

07/11/2013 às 19:22

Povos de Terreiro e Ciganos

Escrito por: Redação
Fonte: Ministério da Cultura

7/11/2013

Uma visita inesperada quebrou a rotina da agenda de trabalho da secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, Márcia Rollemberg, na manhã desta quinta-feira (7). Um grupo de representantes dos Povos Tradicionais de Matriz Africana e dos Povos Ciganos do Brasil, que estão em Brasília participando da Conferência Nacional da Igualdade Racial, promovida pela Sepir/PR, chegou de surpresa para conversar com a secretária.

De maneira descontraída, eles chegaram em cortejo na sede SCDC/MinC, entoando cânticos na língua Bantô, de louvor a Iemanjá, e na língua Romani, de exaltação a um mundo melhor (Luma Mai). Durante a audiência eles também deram uma pequena mostra das expressões culturais de seus povos, cantando e dançando para a secretária. Entregaram a ela quatro pautas de reivindicações prioritárias para os povos de matriz africana, indígena e cigana do Brasil.

Pedem a criação de Pontões de Cultura para articular as ações dos Pontos de Cultura voltados às expressões dos povos de matriz africana, ciganos e indígenas no país. Reivindicam a inclusão de todos os segmentos dos Povos de Cultura Tradicional na TEIA Nacional e a participação de um representante do segmento nos trabalhos de organização e produção da TEIA , bem como a criação de novos Pontos de Cultura destinados aos Povos Tradicionais do país, na proporção de 60% da meta do Plano Nacional de Cultura (PNC), que é de 15 mil unidades até o ano de 2020.

A secretária agradeceu a visita e disse que as portas da SCDC estão sempre abertas para receber os representantes da cultura popular. "Vocês têm aqui uma equipe sensível e dedicada aos temas de diversidade. Temos colocado os Povos Tradicionais como prioridade nos editais do Programa Cultura Viva", assegurou.

Márcia Rollemberg falou para o grupo sobre as ações que a secretaria vem realizando voltadas às comunidades de cultura tradicional, tais como, o trabalho de valorização dos Mestres da Cultura Popular e dos Griôs (mestres da cultura oral); a realização de diversas conferências sobre a temática dos povos indígenas, ciganos e de matriz africana; a reativação do Grupo de Trabalho da Diversidade, dentro do Sistema MinC, e os editais de apoio às culturas populares.

Ela solicitou, ainda, o empenho das lideranças para a participação de suas comunidades no edital de apoio às apresentações artísticas durante a Copa do Mundo de 2014, que está com inscrições abertas. Provocou a curiosidade dos visitantes ao informar que está sendo elaborada, dentro da secretaria, uma nova ação de apoio aos povos quilombolas, prevista para ser lançada no Dia da Consciência Negra, 20 de outubro. Reforçando a importância que o MinC dá aos conhecimentos tradicionais do povo brasileiro, disse que a chave para o desenvolvimento sustentável do país está nas mãos daqueles que operam com a diversidade cultural.

Trabalho Social

Ainda durante a audiência, as lideranças do Candomblé informaram à secretária sobre o trabalho de assistência social que realizam junto às comunidades carentes onde atuam. "Povo de Terreiro nunca come sozinho", brincou a Mãe de Santo Elizabeth Pantoja (Mãe Bethi), ao falar da distribuição de 50 cestas básicas que faz aos integrantes do Terreiro de Candomblé Rundembro Nguzo Wá Baburucema, em Belém do Pará. O Tata Ricardo Tavares, do Candomblé de Camaçari (BA), disse que sua comunidade ofereceu cursos de Corte e Costura para 150 mulheres do município, por meio de um convênio com o Programa Nacional de Acesso ao Ensino e Emprego (Pronatec/MDS) e que para este Natal formou coral só com músicas afros.

Já o representante dos Povos Ciganos, José Ruiter disse que o povo cigano precisa de mais união e organização. Citou como exemplo o trabalho desenvolvido pelos grupos afro-brasileiros. "Nós chegamos no Brasil na época do Império e só agora começamos a nos organizar culturalmente. Os jovens ainda sentem vergonha de se identificarem como ciganos, devido ao grande preconceito que existe em relação ao nosso povo", afirmou.

(Texto: Patrícia Saldanha, SCDC/MinC)

(Fotos e vídeo: Danielle Gouveia, SCDC/MinC)

(Edição de Video: Eder Lacerda.SCDC/MinC)