Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

05/02/2013 às 06:52

Preocupadas, emissoras de TV contestam novo leilão do 4G

Escrito por: Julia Borba
Fonte: Folha Online

As empresas de radiodifusão estão preocupadas com a decisão do governo de acelerar o leilão da frequência de 700 MHz, usada por emissoras de TV e que será destinada às operadoras de celular.

Em reunião de três horas nesta segunda-feira (4) no Ministério das Comunicações com participação da Anatel, executivos do setor cobraram detalhes dos estudos feitos pela área técnica da agência reguladora.

Segundo o governo, eles indicam que a mudança não irá afetar a qualidade das transmissões ou limitar o crescimento da TV digital.

A íntegra do documento, contudo, não foi apresentada, o que gerou desconforto entre os executivos de radiodifusão. Uma nova reunião foi marcada para quinta.

Como revelou a Folha, o governo convocou o setor para informar que irá iniciar ainda neste mês o processo que resultará na licitação da frequência de 700 MHz, com a publicação de uma portaria.

A partir do documento, a Anatel poderá abrir consulta pública sobre o tema e formular o edital da licitação, que pode chegar a R$ 40 bilhões, segundo cálculos do governo.

A faixa de 700 MHz é ocupada hoje para a transmissão de TV e corresponde aos canais 51 a 69. O governo pretende repassar o uso dessa frequência para as teles, agilizando, com isso, a implantação da internet móvel de quarta geração (4G) no país.

Para que isso ocorra, o governo terá de antecipar a mudança dos canais de TV que hoje operam nessa frequência. Eles serão digitalizados e realocados na faixa que equivale aos canais 14 a 50.

Inicialmente, a mudança ocorreria até 2016, seguindo o plano de expansão da TV digital no país.

As empresas de radiodifusão argumentam que não haverá espaço suficiente para todas as emissoras, caso a faixa de 700 MHz seja inteiramente dedicada às teles.

Dizem ainda que pode haver interferência do sinal emitido pelas operadoras de celular, prejudicando a qualidade da transmissão de TV.

A ideia do governo é compensar as emissoras de TV que terão de ser digitalizadas com parte dos valores arrecadados na licitação.

Hoje, as teles podem usar outra frequência de 4G, a de 2,5 GHz, licitada em 2012.