Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

23/02/2014 às 18:02

Presidente da Colômbia diz que teve e-mails interceptados

Escrito por: Redação
Fonte: O Globo Online

Juan Manuel Santos disse que espionagem tem o objetivo de afetar a sua imagem durante campanha pela reeleição

BOGOTÁ - O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, informou neste domingo que mais de mil e-mails pessoais foram interceptados ilegalmente, um fato que ele atribuiu à espionagem política para afetar a sua imagem e a de seu governo durante a campanha pela reeleição.

O político de centro-direita, que fez da conquista da paz a sua principal bandeira de governo, considerou a interceptação, que também afetou correios eletrônicos de alguns membros de sua família, como uma "atividade criminal grave, insólita e inaceitável".

A interceptação tornou-se evidente depois que a revista "Semana" publicou um e-mail de dezembro de 2012, em que Santos se refere à valorização de obras de arte que não comprou. Isso "coincide com o início da campanha eleitoral, e sugere motivações políticas que devem ser investigadas para encontrar e punir os responsáveis por esta conduta ilegal", afirmou o presidente em um comunicado.

- Não será surpreendente se nos próximos dias e até o final da campanha se circulemcircularem novas mensagens cuja publicação tem o objetivo de afetar o meu nome e o do meu governo - acrescentou, notando que os e-mails não vão revelar nada que mereça uma explicação sua.

O acontecimento, que evidencia a vulnerabilidade das comunicações da pessoa mais vigiada do país, vem a público três semanas depois das denúncias de escutas ilegais por parte da inteligência militar das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

No entanto, uma investigação do Exército, ordenada pelo próprio Santos, determinou que não houve espionagem, nem atividades ilícitas. Além disso, há uma semana foram reveladas gravações de oficiais do Exército que sugerem irregularidades nos processos de contratação dentro das Forças Armadas. Em outra, o general Leonardo Barrero, comandante das Forças Armadas, se referia com palavras desrespeitosas ao procurador-geral. Essas gravações provocaram uma reestruturação na cúpula militar por parte de Santos, que destituiu Barreto e outros quatros generais do Exército que estariam envolvidos nos supostos processos irregulares.

O presidente disse que não descarta nenhuma hipótese sobre os responsáveis pelas interceptações ilegais, e disse que "alguns insistem em utilizar a guerra suja na luta pelo poder."

Em meio às denúncias de espionagem, o governo anunciou recentemente a criação de uma comissão de alto nível para fortalecer a segurança cibernética, admitindo que o país é vulnerável e está exposto a ataques virtuais internos e externos.

A comissão, integrada pelos ministérios da Defesa, Justiça e Tecnologia da Informação e Comunicação, está recebendo assessoria da Espanha, do Reino Unido, da Coreia do Sul e de Israel.

Colômbia, ao lado de países da América Latina, como Brasil e México, foi alvo de espionagem por parte da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês), segundo relatos publicados no ano passado com base em documentos vazados por Edward Snowden, o ex-funcionário da inteligência de Washington.

Embora a Colômbia, um dos principais aliados dos EUA na região, tenha pedido uma explicação, Washington se silenciou e nunca chegou a desmentir as acusações de espionagem que provocaram uma reação forte do Brasil.