Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

04/01/2014 às 06:01

Retorno a Gregório

Escrito por: Redação
Fonte: Folha Online

Vinte e cinco anos depois do premiado romance "Boca do Inferno" (Companhia das Letras), no qual recriava o ambiente histórico em que vivia o poeta Gregório de Matos (1636-1695), a escritora cearense Ana Miranda volta ao personagem, agora na forma de biografia. "A Musa Praguejadora", previsto para este semestre pela Record, incluirá iconografia e será entremeado por textos mais literários, baseados em poemas biográficos do maior poeta barroco do país. Na mesma linha, a autora prepara, para 2015, biografia de Xica da Silva, a escrava alforriada que virou senhora.

Poesia

"Totem", poema de André Vallias feito a partir dos nomes de 224 povos indígenas do país, com tipologia também criada pelo artista, terá neste ano edição em forma de plaquetas, numa caixa, pela Cultura e Barbárie

Vidas cruzadas

A discussão sobre a necessidade de autorização para a publicação de biografias no país volta só em fevereiro no Supremo Tribunal Federal e no Congresso. Enquanto isso, a Geração Editorial trata de reunir dezenas delas - sem pedidos de autorização- no livro "Os Vencedores: A Volta por Cima da Geração Esmagada pela Ditadura de 1964", do jornalista gaúcho Ayrton Centeno, em processo de edição e previsto para março.

Com quase mil páginas, a obra cruza histórias de personagens que chegaram a ser entrevistados, como Dilma Rousseff, José Dirceu e Gilberto Gil, a outros que não atenderam aos pedidos de entrevista do autor, como Caetano Veloso e Chico Buarque.

Visuais

O livro-objeto "Do No ao Pornô", previsto para este ano pela Demônio Negro, traz correspondências do cineasta Ivan Cardoso com nomes como Hélio Oiticica e Jean-Luc Godard, além de seus trabalhos pouco conhecidos como artista visual (acima)

Luz sobre os crimes
O jornalista e escritor Gonçalo Junior prepara para o meio do ano uma biografia de João Acácio Pereira da Costa, o Bandido da Luz Vermelha, que aterrorizou a capital paulista nos anos 1960. O livro, da Lote 42, teve entre as fontes as 22 mil páginas dos mais de 60 processos que João Acácio sofreu e seus exames de sanidade mental.

*Celebridades virtuais *
A editora gaúcha Belas-Letras aposta em hits da internet para este ano. Em maio, sai "Um Livro Azedo: Dicas e Atividades para Você Ficar de Mal com o Mundo", "assinado" por ninguém menos que Grumpy Cat, a gata rabugenta que teve vídeos vistos mais de 13 milhões de vezes no YouTube desde 2012.

*Celebridades virtuais 2 *
Já em junho, com o gancho do Dia dos Namorados, sai o livro do Cozinha para 2, com receitas do casal de "webcelebridades" paulista Carol Thomé e Duca Mendes.

Resgate
A Ateliê Editorial programa para os próximos meses o "Vocabulário Português-Nheengatu, Nheengatu-Português", do conde Ermanno Stradelli (1852-1926), que até hoje só tinha sido editado em revista.

Resgate 2
A obra joga luz sobre o idioma derivado do tronco tupi que, criado no século 17, foi a segunda língua geral indígena desenvolvida no país, após a língua geral paulista, tendo sido usada até o século 19 para a catequese luso-brasileira na Amazônia. Atualmente, é falada por menos de 10 mil pessoas no vale do Rio Negro.

*Longo trabalho *
A tradutora Ho Yeh Chia corre para terminar neste ano a tradução do romance "No País do Cervo Branco", de Chen Zhongshi. São 800 páginas, tendo como pano de fundo a rivalidade de clãs na China rural do século 20. Para que não corresse o risco de ficar fácil, a editora optou por uma tradução direto do manuscrito do autor, em vez de usar como base a edição chinesa.

*Lobo novo *
Com a estreia de "O Lobo de Wall Street", de Scorsese, prevista para o próximo dia 24, a Planeta lança nova edição do best-seller homônimo de 2008, hoje esgotado nas livrarias. Junto, lança a continuação "A Caçada ao Lobo de Wall Street". O filme se baseia nos dois livros de memórias de Jordan Belfort (interpretado por Leonardo DiCaprio), que passou dois anos preso por manipular a bolsa de valores.

Raquel Cozer é jornalista especializada na cobertura de literatura, mercado editorial e políticas de livro e leitura. É colunista e repórter da "Ilustrada", na Folha, desde 2012, com passagem anterior pelo caderno de 2006 a 2009. Foi repórter do "Sabático", no "Estado de S. Paulo", e do jornal "Agora", do Grupo Folha. Também trabalhou nas editoras Abril, Globo e Record. Escreve a coluna Painel das Letras, aos sábados.

Colunas anteriores