Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

07/01/2016 às 13:29

RSF alerta sobre o crescimento de um critério 'religiosamente correto' na imprensa

Escrito por: Redação
Fonte: Portal Imprensa

Mensagem foi divulgada nesta quinta-feira, dia que completa um ano da tragédia do Charlie Hebdo

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) alertou para uma crescente censura à imprensa, que tenta fazer com que jornalistas obedeçam a um suposto critério "religiosamente correto”. A mensagem foi divulgada nesta quinta-feira (7/1) para lembrar do primeiro aniversário da tragédia do semanário satírico francês Charlie Hebdo.
 
"Em nome do respeito de Deus e de noções como a blasfêmia, seus partidários pretendem criar uma exceção à liberdade de expressão em geral, e à liberdade de informação em particular, que não está contemplada pelo direito internacional", defendeu a organização.
 
Segundo a RSF, diferente do “politicamente correto”, o conceito faz referência a um controle da expressão sem uma capacidade coercitiva real, além de se impor em diversos países com uma força e violência desregrada.
 
"A liberdade de informação e de expressão, tanto a dos jornalistas como a dos cidadãos, não pode ser constrangida ou limitada pelas convicções ou as sensibilidades de esta ou aquela pessoa, sob pena de instaurar, sem darmos por isso, uma forma de totalitarismo", reforça.
 
A ONG lembrou que em 2013, 47% dos Estados do mundo (94 entre 198 países) contavam com uma lei que punia com maior ou menor severidade a blasfêmia, entre eles, oito países da União Europeia. 
 
"Todos aqueles que manifestam sua coragem editorial e recusam participar à sacralização de quaisquer sistemas de pensamento devem ser protegidos, incluindo por aqueles que não partilham suas convicções", afirmou Christophe Deloire, secretário-geral de RSF.
 
"Os braços armados do religiosamente correto não se contentam com impedir a crítica das religiões: pretendem impedir toda e qualquer reportagem ou investigação jornalística sobre vastos setores da realidade política, econômica, social e cultural", acrescentou.