Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

04/01/2014 às 06:02

Segmento juvenil vive "boom" de fórmula

Escrito por: Redação
Fonte: Folha de São Paulo - Impressa

Segmento juvenil vive "boom" de fórmula

DE SÃO PAULO Se, no segmento adulto, as distopias rendem debates, no mercado juvenil dão em best-sellers. O exemplo mais famoso é a bem-sucedida trilogia "Jogos Vorazes", da americana Suzanne Collins, editada no Brasil pela Rocco.

A autora é a que mais vendeu livros na história do Kindle, o aparelho da Amazon, que não detalha números.

Publicada em 2008, a série originou no cinema uma franquia cujo primeiro filme fez US$ 408 milhões nos EUA.

O êxito inspirou sucessores na literatura com levada semelhante: histórias futuristas sobre adolescentes que enfrentam os dilemas de um destino já traçado.

É o caso da série "Divergente", de Veronica Roth (Rocco, R$ 39,50 cada volume), "Delírio", de Lauren Oliver (Intrínseca, R$ 29,90 cada volume), e "Destino", de Ally Condie (Suma de Letras, R$ 31,90 o primeiro volume),

No Brasil, a fórmula resultou na série "Anômalos", da brasiliense Bárbara Morais, 24. O primeiro volume, "A Ilha dos Anômalos" (Gutenberg, R$ 34,90), acompanha uma jovem que é segregada por ter poderes especiais.

Inspirada na série "Jogos Vorazes", Morais diz que distopias "fazem todo o sentido para quem é adolescente".

"É uma fase de desencanto com o mundo, com os adultos. Os jovens se sentem deslocados, oprimidos", diz.

"Há uma pressão grande sobre o adolescente desde cedo; por competitividade, por bom desempenho", diz o escritor Roberto Causo. "Não é à toa que nesses livros os heróis são sempre recrutados cedo demais a cumprir alguma missão."

(GG)