Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

01/11/2013 às 10:04

Snowden empregado

Escrito por: Redação
Fonte: Correio Braziliense

 

Três meses depois de ter chegado a Moscou na condição de fugitivo da Justiça americana, como delator do esquema montado pela Agência de Segurança Nacional (NSA) para rastrear comunicações por telefone e e-mail no mundo inteiro, o ex-agente Edward Snowden começa hoje vida nova na Rússia, que em agosto lhe concedeu asilo temporário de um ano. "Edward será responsável pela manutenção de um importante site russo", anunciou para as agências de notícias o advogado do americano, Anatoli Kucherena, omitindo mais detalhes "por razões de segurança".

Horas antes, o portal Life News exibira uma das únicas fotos de Snowden depois de ter deixado a área de trânsito do Aeroporto Sheremetievo, na capital russa, onde permaneceu por mais de um mês depois de ter desembarcado, no fim de julho, procedente de Hong Kong. A imagem mostra o ex-analista da NSA de boné claro e blusa vermelha, encostado à grade de um barco durante um passeio pelo Rio Moscou, tendo ao fundo a igreja de Cristo Salvador. Kucherena confirmou a autenticidade da foto, tirada em setembro, segundo o portal, que afirma ter pagado por ela 100 mil rublos (US$ 1.322).

O Life News já tinha publicado, dias antes, uma imagem de Snowden empurrando um carrinho de compras em uma loja, também em Moscou. Na nova foto, mais aproximada e de melhor definição, aparece ao lado do americano uma mulher que, segundo a agência France-Presse, poderia ser Sarah Harrison, funcionária do site WikiLeaks que o acompanha desde a chegada à Rússia. Celebrizado por revelar documentos sigilosos dos EUA, inclusive correspondência diplomática, o WikiLeaks tem dado assistência a Snowden desde que o jornalista americano Glenn Greenwald, na época a serviço do diário britânico The Guardian, começou a publicar as revelações do ex-analista da NSA.

O advogado de Snowden reiterou que seu cliente não responderá a perguntas dos serviços secretos estrangeiros sobre os programas utilizados pela inteligência norte-americano para rastrear e violar comunicações eletrônicas de milhões de cidadãos de vários países e, inclusive, de pelo menos 35 chefes de Estado e de governo — entre eles, a presidente Dilma Rousseff e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel. "Snowden vive na Rússia sob a lei russa. Não pode ir ao exterior, sob pena de perder o atual status. E, enquanto estiver na Rússia, aceitou não divulgar nenhuma informação secreta", declarou Kucherena.