Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

03/10/2013 às 03:00

Telefonia reduz perdas na Bolsa

Escrito por: Redação
Fonte: Correio do Povo (RS) - Impresso

São Paulo - Apesar de ter se mantido no azul durante toda a tarde, a Bovespa perdeu fôlego e voltou a cair ontem no final da sessão, seguindo a trajetória das Bolsas norte-americanas. Encerrou o dia com um giro fraco, de R$ 4,65 bilhões, e perda de 0,15%. A baixa só não foi maior porque ações de setores como o da telefonia tiveram valorização significativa e minimizaram o declínio. Depois das notícias sobre fusão com a Portugal Telecom, a Oi se transformou no destaque do pregão. As ações preferenciais da operadora avançaram 5,21%, maior alta do Ibovespa. As ordinárias subiram 3,58%, representando a terceira maior elevação a compor o principal índice da Bolsa.
O impasse sobre o orçamento nos Estados Unidos penalizou os negócios por lá, levando as Bolsas americanas para o vermelho. Além da situação delicada no Congresso, os dados sobre a economia do país decepcionaram. Foram criados 166 mil postos de trabalho no setor privado em setembro, abaixo da expectativa de 178 mil. Outro resultado que trouxe insatisfação foi o Índice de Condições Empresariais, medido na área de Nova Iorque. Recuou para 53,6 em setembro, enquanto o valor registrado em agosto era de 60,5. Esses números ajudaram a puxar para baixo o índice Dow Jones, que perdeu 0,39%. O Nasdaq declinou 0,08%.
No Brasil, o Ibovespa, ao cair 0,15%, teve desempenho melhor que o Dow Jones em função de ações pontuais. Além dos ganhos registrados pela Oi, B2W e Petrobras, siderúrgicas e construtoras se valorizaram. Os papéis da estatal do petróleo seguiam repercutindo as expectativas quanto ao reajuste dos combustíveis, mas acabaram perdendo o ritmo. No final, a ação ordinária subiu 0,59% e a preferencial, 0,7%, com avanços menores que o esperado, segundo operadores.
No câmbio, depois de subir 0,32% na terça-feira, o dólar encerrou a sessão em baixa de 1,12% ontem, cotado a R$ 2,198, levemente abaixo do "piso psicológico" de R$ 2,20, "estipulado" pelo mercado. A moeda americana oscilou em queda durante todo o dia. Na máxima da sessão, às 9h41min, atingiu R$ 2,218 e, na mínima, às 16h07min, marcou R$ 2,197. Perto do final da tarde, o volume à vista, conforme a clearing de câmbio da Bovespa, somava 1,6 bilhão de dólares.