Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

16/04/2014 às 09:21

Temas como sexo, religião, guerras e literatura tomam conta da 2ª Bienal

Escrito por: Redação
Fonte: Correio Braziliense Online

As discussões sobre o futuro das biografias no país voltou à mesa com Ruy Castro, Toninho Vaz e José Paulo Cavalcanti Filho no debate Biografias

A noite de terça foi de polêmicas em torno de temas como sexo, religião, guerras e a própria literatura na II Bienal Brasil do Livro e da Leitura. As discussões sobre o futuro das biografias no país voltou à mesa com Ruy Castro, Toninho Vaz e José Paulo Cavalcanti Filho no debate Biografias: literatura, história e identidade cultural. Castro narrou como, durante três anos, manteve contato intenso com a família de Garrincha para escrever Estrela solitária e acabou censurado pelas filhas do jogador.

Leia mais notícias em Diversão & Arte

Segundo o escritor, elas sempre estiveram cientes da biografia, mas acabaram por ameaçar a editora e propor um acordo deR$ 1 milhão para autorizar a publicação do livro.

"Elas ligaram para a editora para dizer que o livro caluniava o Garrincha, explorava a história dele, e que eu não tinha permissão para fazer esse livro. Disseram que iam meter um processo. Diante do silêncio do outro lado da linha, elas disseram que tinha acordo, e que o acordo era R$ 1 milhão. A editora disse que não tinha acordo, e o processo se arrastou por 11 anos, até que elas pediram um acordo e disseram que se pagassem R$ 30 mil, tudo bem. Se você pagar pode caluniar, mentir", contou Castro, que também provocou a empresária Paula Lavigne, defensora de que a família do biografado precisa autorizar as publicações. "Perguntei a ela se, pagando o dízimo, eu podia mentir", contou Castro.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.