Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

23/11/2015 às 13:26

Vaticano indicia jornalistas e outras três pessoas por vazamento de informações

Escrito por: Redação
Fonte: Portal Imprensa

Gianluigi Nuzzi e Emiliano Fittipaldi são processados pelo Vaticano por divulgação de documentos sigilosos

No último sábado (21/11), o Vaticano indiciou cinco pessoas, incluindo os jornalistas Gianluigi Nuzzi e Emiliano Fittipaldi, acusadas de "associação criminosa" no escândalo Vatileaks, que divulgou documentos confidenciais sobre supostos desvios de dinheiro na Igreja Católica.
 
Nuzzi e Fittipaldi são autores dos respectivos livros "Vía Crucis" e "Avarizia", nos quais citam documentos com informações sobre desperdício e má gestão no Vaticano, além da resistência à tentativa do Papa Francisco para corrigir as irregularidades.
 
De acordo com a AFP, também foram indiciados o padre espanhol Lucio Ángel Vallejo Balda, que está detido no Vaticano, e a consultora italiana Francesca Immacolata Chaouqui, libertada após concordar em colaborar com a Justiça. O último acusado é Nicola Maio, colaborador de Balda.
 
Esta é a primeira vez que o Vaticano abre um processo contra dois jornalistas. Ao ser interrogado, Fittipaldi declarou que talvez tenha sido "um pouco ingênuo, pois achava que fossem investigar aqueles cujas atividades denunciei, e não a pessoa que revela os crimes".
 
"Entendo que estejam muito envergonhados no Vaticano pelas informações publicadas em meu livro, principalmente porque não podem negar nada, mas não esperava um julgamento", completou o repórter.
 
Os cinco indiciados podem receber uma pena de até oito anos de prisão. O ato de divulgar documentos confidenciais é um crime previsto em uma lei do Vaticano de julho de 2013.