Receba no seu e-mail

Voltar

E-Fórum / Notícias

27/07/2015 às 17:02

Sentiremos saudade, Vito!

Escrito por: Redação

Vito morreu na última sexta-feira (24/7). Deixou sua companheira de vida, militância e trabalho, a jornalista Cláudia Santiago, um filho e uma enteada, a quem prestamos profunda solidariedade, e um legado intelectual profícuo

Vibrante. Apaixonado. Intenso. Combativo. Revolucionário. Desbocado. Generoso. Trabalhador incansável. Teórico rigoroso. Acima de tudo, um homem de luta. É assim que lembraremos de Vito Giannotti, escritor, professor e homem de ação. E é honrando sua expressiva e indispensável contribuição ao campo da comunicação como espaço de disputa pela hegemonia que o homenageamos. 
 
Vito morreu na última sexta-feira (24/7), de causas naturais, em sua casa, no Rio de Janeiro. Deixou sua companheira de vida, militância e trabalho, a jornalista Cláudia Santiago, um filho e uma enteada, a quem prestamos profunda solidariedade. Deixou também, além da saudade, um profícuo legado intelectual em mais de 20 livros, centenas de artigos e uma infinidade de citações coletadas por jornalistas de todo o país e de fora nas muitas entrevistas que concedeu sobre comunicação popular e sindical.
 
Italiano, Vito adotou o Brasil ainda na década de 60, tornando-se um dos mais expressivos militantes da esquerda democrática. Na década de 90 fundou, junto com Cláudia Santiago, o Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC), que mais do que um espaço de discussão e formação, tornou-se um dos principais centros de memória das lutas dos trabalhadores no Brasil. Por lá passaram centenas de jornalistas e militantes sociais e sindicais que participaram dos cursos, debates e palestras organizados especialmente para difundir a luta pela comunicação da classe trabalhadora como instrumento indispensável à democracia.
 
Diante da sua energia, irreverência e alegria, sentimo-nos ainda mais compelidos para continuar a luta por um novo Brasil, por um novo marco regulatório para o setor de comunicação e, acima de tudo, por um mundo mais justo, democrático e fraterno, querido amigo. 
 
FNDC – Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação